Inicial > JORNAL DEROLÉ > Tributo

Tributo

Tive vontade de escutar Legião Urbana hoje. Dentre tantas canções geniais da banda fiquei em dúvida sobre qual escolheria ouvir primeiro. Mas não queria qualquer música, mas alguma que tivesse relacionada com assuntos atuais, afinal, falo de um grupo que deixou de produzir há quase duas décadas.

Não é necessário pesquisar muito sobre a banda Legião Urbana para constatar que não existe barreiras de tempo/espaço para a genialidade. Embora seja um rock dos anos 80 com arranjos característicos da época e algumas gravações sem a qualidade Digital fodástica que existe hoje, as músicas são atuais e abordam desde temas relacionados a adolescência até assuntos ligados a situação sociopolíticacultural do país.

 

 

“E existem muitos formatos
Que só têm verniz e não tem invenção
E tudo aquilo contra o que sempre lutam
É exatamente tudo aquilo o que eles são”

 

“E agora você quer que eu fique assim igual a você
É mesmo, como vou crescer se nada cresce por aqui?
Quem vai tomar conta dos doentes?
E quando tem chacina de adolescentes
Como é que você se sente? ”

 

“Eu nem sei porque
Me sinto assim
Vem de repente um anjo
Triste perto de mim

 

E essa febre que não passa
E meu sorriso sem graça
Não me dê atenção
Mas obrigado
Por pensar em mim”

 

“Essa justiça desafinada
É tão humana e tão errada
Nós assistimos televisão também
Qual é a diferença?”

 

“E Clarisse está trancada no banheiro
E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete
Deitada no canto, seus tornozelos sangram
E a dor é menor do que parece
Quando ela se corta ela se esquece”

 

 

“Eu sou
Eu sou a pátria que lhe esqueceu
O carrasco que lhe torturou
O general que lhe arrancou os olhos
O sangue inocente
De todos os desaparecidos
Os choque elétrico e os gritos”

 

“Não penso em me vingar
Não sou assim
A tua insegurança era por mim
Não basta o compromisso,
Vale mais o coração”

 

“Chega de opressão:
Quero viver a minha vida em paz
Quero um milhão de amigos
Quero irmãos e irmãs
Deve de ser cisma minha
Mas a única maneira ainda
De imaginar a minha vida
É vê-la como um musical dos anos trinta”

 

“Nosso dia vai chegar,
Teremos nossa vez.
Não é pedir demais:
Quero justiça,
Quero trabalhar em paz.
Não é muito o que lhe peço –
Eu quero um trabalho honesto
Em vez de escravidão.”

 

“Trouxe flores mortas pra ti
Quero rasgar-te e ver o sangue manchar
Toda a pureza que vem do teu olhar
Eu não sei mais sentir”

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: